top of page
  • paulo4508

Um Brasil competitivo cria empregos e estimula novas empresas



VINICIUS POIT


O grande compositor mineiro, um dos líderes do Clube da Esquina, Beto Guedes, escreveu em 1978, em parceria com Djavan, a canção “Amor de Índio”, marco do cancioneiro nacional. Em um dos trechos mais belos da letra, ele canta: “Se todo amor é sagrado/e o fruto do trabalho é mais que sagrado, meu amor/a massa que faz o pão vale a luz do teu suor”. Nada mais lírico e nada mais concreto.


Outros nomes como Gonzaguinha também citaram que um homem sem trabalho não tem honra. Ganhar honestamente o próprio dinheiro, ter condições de sustentar a própria família e realizar os sonhos – não só pagar as não só pagar as contas para sobreviver – é o anseio de todos. E os homens públicos, mandatários populares, devem ter isso em mente diariamente: o que fazer para proporcionar melhores condições de vida para a população, não só para os seus eleitores?


O desemprego sempre é um dos grandes fantasmas de todos os brasileiros. Pesquisa recente encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e realizada pelo Instituto FSB Pesquisa mostra que 38% dos entrevistados admitiram que esse é o principal medo que sentem. Um temor justificado, já que ainda não conseguimos sair do ciclo de recessão que começou em 2015, por escolhas econômicas equivocadas da época somadas à instabilidade política e agravada pelos 2 anos de pandemia da covid-19.


Os mais recentes dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostraram, em fevereiro, que 11,2% dos brasileiros – 12 milhões de pessoas – estão sem emprego. Também apontou que São Paulo, Estado do qual muito me orgulho de ser um dos representantes na Câmara, tinha 3,4 milhões de desempregados no fim de 2021, quase 1/3 do total de pessoas desempregadas do país.


Mesmo aqueles que têm algum emprego enfrentam dificuldades. O rendimento médio real, também verificado pelo IBGE em fevereiro foi de R$ 2.511, o que representa uma estabilidade ante o trimestre anterior. Ainda assim, foi a menor renda média do trabalho já registrada em um trimestre encerrado em fevereiro desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012.


Emprego e renda não surgem como mágica. Dependem de políticas responsáveis, da aprovação de leis que incrementem a atividade econômica e criem liberdade e competitividade. Este termo não tem a ver só com a realidade dos grandes exportadores. Ela afeta a vida de todos os cidadãos, como mostra a Mandala do Custo Brasil, apontando um impacto de R$ 1,5 trilhão ou 22% do PIB Nacional. Gargalos que aumentam o sofrimento dos brasileiros.


Em um dos eixos da Mandala aparecem a Educação e a importância do ensino profissionalizante. Para alguns extratos da população, a realidade de estudar disciplinas que já permitam ou facilitem a entrada no mercado de trabalho é um salto qualitativo fundamental. Um dos grandes problemas para impulsionar a competitividade nacional é ausência de mão-de-obra qualificada. Treinar e desenvolver os trabalhadores assegura longevidade no emprego e salários cada vez mais dignos para quem precisa se sustentar e cuidar dos seus.


Outro ponto que precisamos estar atentos é o estímulo para quem deseja abrir o próprio negócio. Empreender no Brasil é um sacrifício que precisa ser desmistificado e impulsionado. É preciso reforçar a importância do recém-sancionado Código de Defesa do Empreendedor, desdobramento da Lei de Liberdade Econômica do Estado, iniciativa dos deputados estaduais Ricardo Mellão e Sérgio Victor, ambos meus correligionários.


Tanto no plano nacional quanto em São Paulo precisamos apoiar quem se arrisca em abrir o próprio negócio. A legislação precisa ser amigável para estimular a atividade produtiva, reduzindo a interferência do poder público na economia, desburocratizando processos, facilitando a abertura e fechamento de negócios, digitalizando documentos e simplificando o sistema tributário.


Um país mais competitivo é um país sem amarras e com segurança jurídica e regulatória para o empreendedor abrir seu negócio, criar emprego e pagar os tributos. Além de uma nação que oferece empregos dignos, com remuneração adequada e justa para os trabalhadores. A equação precisa ser uma meta constante no horizonte dos homens públicos e daqueles que possuem mandatos eleitorais. O brasileiro já provou que é um povo trabalhador. Cabe a nós dar condições adequadas para essa vocação prosperar.


Vinicius Poit, 36, é deputado federal eleito pelo Partido Novo de São Paulo, coordenador da Bancada Paulista e pré-candidato ao governo de São Paulo. É formado em administração de empresas pela FGV e pós-graduado em Coaching. Tem experiência no mercado financeiro e com reestruturação de empresas. É coordenador de Desburocratização e governo Digital da Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo


Leia o texto original: (https://www.poder360.com.br/opiniao/um-brasil-competitivo-cria-empregos-e-estimula-novas-empresas/)

© 2022 Todos os direitos são reservados ao Poder360, conforme a Lei nº 9.610/98. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas.



bottom of page