top of page
  • paulo4508

PL do mercado de carbono coloca Brasil na vanguarda ambiental



Danilo Forte


O Brasil sempre foi considerado um dos pulmões do mundo, por conta da imensa Floresta Amazônica e de todo o potencial contido em nossos biomas naturais. Nem mesmo quando alguém lembrou que os grandes pulmões são os oceanos, os brasileiros deixaram de lado a responsabilidade de ajudar o planeta.


Agora, estamos diante de uma nova oportunidade de mostrar que a sustentabilidade, caminhando lado a lado com o desenvolvimento econômico, está no DNA de nossa população. O projeto de lei que trata sobre o mercado de carbono chegou ao Congresso para mostrar que podemos ser a vanguarda do debate ambiental.


Com uma vegetação ampla e ainda preservada em boa parte de nosso território –diferentemente de países europeus e da América do Norte– o Brasil precisa começar a capitalizar esse enorme mercado de carbono que se apresenta como o futuro da economia.


Ele pode trazer, especialmente, riqueza para o Nordeste, que às vezes fica meio esquecido em debates ambientais, mas que tem uma vegetação bastante diversificada, indo da Mata Atlântica no litoral à Mata dos Cocais no meio-norte, além de ecossistemas como os manguezais, a caatinga, o cerrado, as restingas, dentre outros.


Esse novo mercado, moderno, antenado com o que há de mais avançado em termos de debates geopolíticos mundiais, poderá criar diversos empregos no Nordeste. A região apresenta o maior índice de desempregados do país.


Segundo dados do 1º trimestre de 2023 anunciados pelo IBGE, o Nordeste tem 14,9% de desempregados –mais que o dobro da região Sul, que tem 6,5% pessoas sem trabalho formal. Qualquer ação que promova o equilíbrio regional terá apoio do setor público e privado. Com apoio mais amplo, são maiores as chances de os projetos inovadores prosperarem.


Por isso, posso dizer, sem medo de errar, que estamos diante de uma grande janela que minha região, o Nordeste, não vê desde o início do ciclo da cana-de-açúcar, um ciclo de energia verde. Precisamos promover essa transição energética para uma nova fase de desenvolvimento sustentável. É a grande chance de mudar o estigma e os falsos discursos. A verdade é uma só. As florestas em pé valem muito mais e têm condições de produzir riqueza. Por consequência, todos vão ganhar mais quando passarem a pensar assim.


Ao deixar de lado a mentalidade atrasada de décadas atrás, teremos mais condições de nos tornarmos competitivos aos olhos do mundo e mais aptos a criar emprego e renda para a nossa população. Pensar no meio ambiente como impulsionador do desenvolvimento é pensar moderno, é pensar para o futuro e é pensar grande para deixar um mundo melhor para nossos filhos e netos. Temos todas as condições de não só estar na vanguarda do debate, como de nos tornar líderes no mercado de crédito de carbono.


O Brasil tem 15% do estoque de emissões de carbono do mundo. Por que não usarmos esse potencial a nosso favor? O PL do mercado de carbono é mais um do leque de ações que temos à mesa para mostrar uma agenda transformadora capaz de descortinar um novo Brasil.


Temos a força da energia eólica e solar também no Nordeste, as pesquisas sobre o diesel verde, a regulamentação do hidrogênio como fonte de combustível, os debates sobre o SAF para aviação e outras diversas iniciativas que mostram a disposição de diversos integrantes de nossa cadeia produtiva de colaborar nesse novo momento.


Há condições ambientais para fazer essa transição junto de empresários e pesquisadores habilitados para desenvolver novas tecnologias. Assim, alcançaremos uma democracia madura e um mercado interno robusto para impulsionar a mentalidade do consumo responsável.


É preciso aproveitar todas essas variáveis positivas, aprovar as regulamentações legislativas necessárias para mostrarmos ao mundo que estamos prontos para os investimentos que virão. Demos os primeiros passos para entrar nesse novo tempo. A semana da economia verde será fundamental para a consolidação da nossa transição energética.


Danilo Forte, 65 anos, é advogado e deputado federal pelo União Brasil do Ceará. É presidente da FER (Frente Parlamentar de Energias Renováveis) e integra a Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo.



Comentarios


bottom of page