top of page
  • paulo4508

A mediocridade da zona de conforto

Atualizado: 17 de jan. de 2022


ALEXIS FONTEYNE


Quem tem medo de arriscar, ou tem medo de falhar e passar ridículo, assume a mediocridade como zona de conforto” (Alexis Fonteyne)


Cada vez mais, vejo frases e pessoas nas redes sociais falando de sucesso, autoajuda, vitórias, coaching, num glamour que, de um lado, pode fazer brilhar os olhos daqueles que sonham um dia conquistar o sucesso e, de outro, alimenta a depressão daqueles que se sentem eternos perdedores.


Alguns são realmente muito bons, como o Flávio Augusto, fundador da empresa Wise Up e ex-proprietário do Orlando City Soccer Club, que tem horas de voo em empreendedorismo e boas histórias para contar. Ou o Jorge Paulo Lemann, um dos criadores da Ambev e da 3G Capital que, em frases simples, consegue expressar a essência de saber selecionar e gerir pessoas.


Já escutei de tudo, já vi muitas coisas, já conheci pessoas muito bem-preparadas, em altos escalões de multinacionais mas que, por algum motivo, não empreendem. Da mesma forma, já vi muitos “rufiões”, que ficam empolgados, falam, fantasiam, contam vantagem. Têm até tem boas ideias, mas, simplesmente, não se mexem.


Diante do que vi e vivi, passei a me perguntar: afinal de contas, o que diferencia um empreendedor de outro, independentemente do nível social, quantidade de recursos ou nível de escolarização? O medo! Aliado à incapacidade de correr riscos!


O medo está diretamente relacionado à zona de conforto, que pode se manifestar de várias formas sem que percebamos. Quero deixar claro que a zona de conforto nada tem a ver com ter ou não dinheiro. A zona de conforto tem muito mais a ver com um sentimento pessoal de proteção maternal.


O medo é tão poderoso que imobiliza as pessoas, impedindo-as de arriscar e gera frases como “meu pé-de-meia”, ou “prefiro não me arriscar”, ou ainda, “isto está bom para mim”. Empreender machuca, cansa, frustra, dá dor de cabeça e de barriga. Dá trabalho, não oferece a segurança dos direitos trabalhistas, gera incômodos diversos. Mas, como na escalada de uma grande montanha, o maior prazer é a conquista do cume, é a própria realização.


Os medíocres tendem a falar das conquistas dos empreendedores de sucesso de forma pejorativa, exaltando sempre a quantidade de recursos acumulados. Pouco falam do caminho percorrido e da coragem em tomar riscos. O verdadeiro empreendedor é, na sua essência, um corajoso, que não joga para a plateia, que não precisa de aprovação, que não tem medo de passar ridículo.


Não confundamos o empreendedor com a categoria dos aventureiros, que também são corajosos, mas completamente inconsequentes. Diferentemente dos aventureiros, os empreendedores são dedicados, focados e tem muita humildade para aprender.


A zona de conforto é traidora, é sedutora, é reconfortante. É representada pelo pequeno prazer de comer pipoca no sofá da sala, onde todos nós temos o direito de estar, mas não de nos acomodar e ficar.


Mas são os empreendedores que apontam para o futuro. Fazem a diferença e asseguram a evolução da humanidade. Reforçam o argumento poético e nada utópico de que só os loucos fazem a diferença. São eles que acabam por puxar os demais pela mão rumo ao desenvolvimento e viram referências, estátuas, são homenageados como visionários. Como diria David Bowie, “o amanhã pertence àqueles que podem escutá-lo chegando”.


Alexis Fonteyne, 51 anos, é engenheiro, empresário e deputado federal por São Paulo pelo Partido Novo





Comments


bottom of page