top of page
  • paulo4508

Investir na qualificação da educação aumenta nossa competitividade

crédito: Sam Balye (via unplash)


Arnaldo Jardim

Tatiana Ribeiro



A educação é o melhor instrumento para superar as barreiras da desigualdade e do baixo desenvolvimento socioeconômico do nosso país. Setores públicos e privados podem se empenhar mais em debates tributários, regulatórios, de competitividade, de como melhorar nossa capacidade de negociação com players estrangeiros e como aumentar nossa produtividade.


Olhar para a educação, para a formação e para as futuras gerações, é ir além de agir de maneira tópica e emergencial. É preciso superar dificuldades para obter resultados consistentes, a médio e longo prazo, na educação para o trabalho como medida estruturante.


Há anos o país parece conscientizado de que é preciso dar uma atenção melhor à educação, por isso temos indexação orçamentária em níveis federal, estadual e municipal. Retirar as boas intenções do papel parece, no entanto, ser o mais difícil.


lguns avanços foram alcançados nos últimos anos, mas ainda vemos resultados fracos de nossos alunos nos exames de mensuração internacionais, como o Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) (PDF – 1 MB)


Além de não se oferecer um ensino regular de qualidade, perpetua-se uma visão distorcida de que o ensino profissionalizante é algo menor, voltado para quem não conseguiu trilhar um caminho acadêmico convencional. Ledo e perigoso engano. A educação profissional e tecnológica tem todas as condições de se tornar um vetor de impulsionamento da competitividade e do desenvolvimento econômico para o país.


Quando bem sistematizada e implementada, a educação profissional é instrumento de engajamento dos jovens e permite a formação de mão de obra qualificada e que atende diretamente às necessidades e anseios do mercado de trabalho.


Em países mais desenvolvidos, como a Alemanha, mais de 60% das vagas educacionais são voltadas para o ensino profissionalizante, formando profissionais que mantêm umas das locomotivas da União Europeia avançando sempre.


No caso brasileiro, temos um quadro oposto. Levantamento feito pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostra que 50% das empresas enfrentam desafios ao buscar trabalhadores qualificados, com desequilíbrio entre as necessidades das empresas e a qualidade do capital humano disponível.


E isso se torna ainda mais grave quando analisamos dados da OCDE (Organização para a Cooperação de Desenvolvimento Econômico) (PDF – 3,4 MB) que mostram o Brasil na 3ª posição mundial quando se trata de carência de trabalhadores qualificados, com 63% das empresas com mais de 10 funcionários enfrentando esse problema.


Isso coloca o Brasil em uma situação de risco que pode levar a uma iminente escassez de mão de obra. Não há crescimento sustentável nesse cenário adverso.


A baixa qualificação da mão de obra é um dos principais motivos para a competitividade e um dos principais responsáveis pelo alto Custo Brasil (PDF – 625 kB), calculado pelo MBC (Movimento Brasil Competitivo) e pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio), em espantoso R$ 1,7 trilhão.


Esse número representa o quanto as empresas brasileiras precisam gastar a mais para produzir o mesmo que os países que estão na OCDE.


Por isso, o MBC e a Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo defendem uma atenção especial ao texto relatado pelo deputado Mendonça Filho (União-PE), o PL 5.230 de 2023 que propõe revisões no Novo Ensino Médio.


Entendemos que o texto está conectado com as necessidades de aprimoramento do ensino médio e superação dos desafios educacionais urgentes do Brasil.


Para isso, é essencial o aumento da carga horária da parte de escolha do estudante, com possibilidade de aproveitamento integrativo com a carga horária da FGB (Formação Geral Básica).


Ela vai permitir aos estudantes uma maior flexibilidade e autonomia na escolha de disciplinas alinhadas com seus interesses e objetivos educacionais. Da mesma forma, é importante reconhecer o notório saber das redes de ensino para atuação exclusiva na educação profissional e tecnológica.


Outros pontos importantes que precisam ser valorizados no PL são da valorização da educação digital como componente curricular do ensino fundamental e médio, e a organização dos componentes curriculares por áreas do conhecimento, em diálogo com a BNCC (Base Nacional Comum Curricular).


A educação digital é essencial para assegurar que os alunos adquiram habilidades fundamentais para usar as tecnologias de maneira crítica e responsável, na vida profissional e pessoal.


A organização do currículo por áreas de conhecimento garante que os objetivos educacionais estejam alinhados com as diretrizes nacionais, promovendo a qualidade e a uniformidade da educação em todo o país.


Pensar educação é jogar sementes que vão gerar frutos a médio e longo prazo, mas a semeadura precisa ser feita logo. Já perdemos muito tempo admirando países que fizeram essa aposta e hoje colhem resultados positivos. Chegou o momento de nossa virada educacional rumo a um futuro mais competitivo.


Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) é deputado federal e presidente da Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo


Tatiana Ribeiro é diretora-executiva do Movimento Brasil Competitivo (MBC)








Comments


bottom of page