top of page
  • paulo4508

Liderança feminina para construir um país mais competitivo



PAULA BELMONTE


Estamos novamente em março, mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher. A nossa luta nunca foi fácil. A sobrecarga feminina de cuidar da casa, dos filhos e do trabalho cria diversos desafios, que heroicamente são superados diariamente por cada uma de nós.


Mesmo com todos esses “pratos” para equilibrar, estamos ganhando espaço em diversos segmentos e setores da sociedade. Hoje, a liderança feminina deixou de ser um sonho para ser uma realidade pujante e pulsante. Nós provamos todos os dias que é possível transformar crises em soluções.


Desde o início da pandemia, vivemos um duro período de recessão econômica e de perda de emprego. Para driblar essa situação, muitas saíram de casa com uma ideia, organizaram um negócio e conquistaram sua renda própria. Segundo dados da Rede Mulher Empreendedora, houve um aumento de 40% de novas empreendedoras em 2020. Eis a íntegra (15MB)


Os negócios liderados por mulheres estão de fato prosperando e assegurando o sustento de toda a família. De acordo com o levantamento da Rede, divulgado em 2021, 72% das empreendedoras avaliam que são totalmente ou parcialmente independentes financeiramente.


A independência financeira liberta mulheres todos os dias, seja de realidades econômicas difíceis ou de relacionamentos ruins. A pesquisa mostra que:


34% das mulheres empreendedoras ouvidas sofreram algum tipo de agressão em relações conjugais


81% concordam que empreendedoras têm mais autonomia na vida, e por isso são mais independentes em suas relações conjugais;


48% delas conseguiram sair desses relacionamentos abusivos e até violentos


As empreendedoras estão mais autônomas e buscando qualificação técnica para aperfeiçoar os seus negócios. A garra é fundamental para qualquer empreendedor, mas é o conhecimento aplicado à prática que faz a diferença. Ainda segundo o levantamento, 45% das mulheres já realizaram algum curso ou formação para empreendedores e 67% planejam realizar cursos nos próximos 12 meses.


Por entender a importância da educação, apresentei um projeto (PL 6593/2019) para criação da Empresa Jovem, espaço para que jovens de instituições de ensino públicas e privadas possam ter experiências de empreendedorismo. A finalidade é ofertar aos estudantes de ensino Técnico a oportunidade de experimentar o ambiente de negócios.


Para dar apoio e reconhecimento às mulheres, aprovamos na Câmara um projeto (PL 2458/2019) de minha autoria que institui a Semana Nacional do Empreendedorismo Feminino. O objetivo é conscientizar a população sobre os desafios enfrentados pelas mulheres empreendedoras. Já temos o dia 19 de novembro como o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, que foi lançado pela ONU (Organização das Nações Unidas). A nossa sugestão é que o Brasil tenha uma data similar.


Se oferecermos condições para as mulheres empreenderem com segurança, podemos seguir o caminho exitoso que se reflete no plano mundial. Do total de 52 milhões de empreendedores catalogados pela Global Entrepreneurship Monitor 2020 (GEM), uma pesquisa feita em parceria com o Sebrae e que abrange todo o planeta, nada menos do que 30 milhões são mulheres, mais da metade do número total.


No Congresso, dos 594 congressistas, temos só 89 deputadas e senadoras, pouco menos de 15% dos representantes no Legislativo Federal. Taxa que muito me orgulho de fazer parte. Temos apenas uma governadora– e, ao longo da história, apenas 8 mulheres foram eleitas para o principal cargo da administração Estadual. No plano Municipal, atualmente, temos 658 prefeitas – na prática, quase 12% das cidades brasileiras. Estamos avançando em relação aos anos anteriores, mas as mulheres precisam de mais representação política.


Mesmo com menos deputadas em relação aos deputados, somos uma bancada muito articulada e democrática. Todos os temas do plenário são debatidos pela Bancada Feminina e nós temos um peso importante nas decisões nas mais variadas pautas. Temos a missão de representar as mulheres e as famílias e lutamos diariamente para que soluções verdadeiramente eficientes sejam aprovadas.


A sobrecarga feminina é um dos principais desafios das mulheres. Dividir-se entre vários papeis e ser cobrada por bom desempenho em todos eles não é tarefa fácil. A pesquisa da Rede aponta que 79% das empreendedoras acreditam que os cuidados com a casa e a família atrapalham mais as mulheres do que os homens que buscam empreender e 50% das empreendedoras com filhos alegaram que o fechamento das escolas impactou a rotina de trabalho, principalmente para as mães com filhos de 3 a 11 anos.


Pensando na importância de uma rede de apoio às mulheres, destinei recursos para a construção de uma creche na Universidade de Brasília, que vai atender a demanda de vagas de funcionários e estudantes da universidade e terá o aporte de R$ 3,3 milhões. Será uma creche-escola inovadora, que servirá de modelo para toda a capital.


É fundamental dar as melhores condições possíveis para reduzir desigualdades e estimular cada vez mais mulheres a ocuparem os espaços que quiserem, seja na política, nos negócios, em iniciativas sociais e em casa, cuidando da família, se assim desejarem.


A análise da importância feminina na sociedade não deve ser feita apenas no dia 8 de março, mas celebrações pontuais são importantes para marcar a necessidade do debate. Vamos empreender, vamos governar, vamos comandar empresas. Por mais mulheres em postos de destaque para um país mais justo, inclusivo e competitivo.


Paula Belmonte, 48 anos, é deputada federal pelo Cidadania do Distrito Federal e secretária-geral da Frente Parlamentar Pelo Brasil Competitivo



Comentarios


bottom of page